domingo, 5 de junho de 2011

Trabalhar no Japão como treinador de futebol

Algo muito estranho a vida, os acontecimentos vão se sucedendo e quando voce ve, voce acaba metido numa situação que voce jamais pensaria que fosse se envolver. Bom, vamos aos fatos.
O Eduardo gosta de futebol e joga bem. Ele já fez tres programas no Toronto Fun (programa de iniciação aos esportes da prefeitura de Toronto, realizado nas escolas depois das aulas), mas o Toronto Fun ficou pequeno para ele. Não tinha mais o que aprender, e ele já era responsável por cerca da metade dos gols de todos os jogos. Falei com o último professor e ele sugeriu que o Eduardo fosse para a liga de futebol de Toronto.
Fui então ao Etobicoke Youth Soccer, o time daqui do bairro. Matriculei o Eduardo no programa de verão, mas quando estava preenchendo o formulário, tinha uma questão perguntando se eu queria me voluntariar para ajuda-los, e eu disse que sim.
Agora próximo do verão recebi um email deles me convidando para uma palestra no Ski Challet aqui perto, já que eu seria o treinador assistente de um dos times sub-8 (nascidos em 2003) do EYS. Só que o número de voluntários foi insuficiente e nosso time (seleção do Japão) estava sem treinador!!!! Para se ter uma idéia do tamanho da escola, somente com os nascidos em 2003 e meninos deu para formar 14 times com 11 jogadores cada!
Passado uma semana levei um cheque mate, ou eu assumia o cargo de treinador ou não tinha time!!! Acabei aceitando, e estou agora, substituindo o Zico, como treinador da seleção japonesa.
Fui um dia no soccer city aqui perto tambem pegar o uniforme da garotada (a escola forneceu a camiseta, o calção e as meias e as crianças tem que comprar chuteira e caneleira) e as bolas. Nosso uniforme é teal (voces acreditam que nunca tinha ouvido falar nessa cor!!!), uma mistura de verde e azul, lindo.
Domingo passado, treinamento de uma hora e meia com os treinadores. Foi ótimo, deu para ter umas idéias para fazer com a criançada. O engraçado foi que no meio do treinamento o professor tava ensinando para nós o que era ginga. Ele perguntou se tinha algum brasileiro para ensinar para o mundo o que era ginga. Bom, fiquei escondido na minha fantasia de alemão, rs.
Finalmente ganhei um assistente, um garoto que se voluntariou agora no final, chamado Michael, 15 anos.
Segunda é o primeiro treino, acho que vou fazer um treino tático com bola somente, rs e uma breve avaliação física do elenco, rs.
E na quarta já enfrentamos a seleção da África do Sul, jogão!!!
Estou pensando em mandar o time nesse primeiro jogo com: Carter, Chini, Compta, DaCosta-Barbosa e Ebata, Greco, Larosa e Mavromihelakis, e na frente Mazzaferro, Ronalds e Sanchez. To levando muita fé nesse Ronaldo como centro-avante. E só um detalhe, esse DaCosta-Barbosa é o Edu, tá?

2 comentários:

  1. Sérgio, meu nome é Paulo Moraes, sou de Belo Horizonte e moro e trabalho em Montréal como Fisioterapeuta - mas tenho formação em treinamento de futebol e o sonho da minha vida é trabalhar com futebol, por vários motivos, um deles sendo um idealismo quase alucinado que me diz que em um campo uma equipe tem que se ajudar e que cada jogador tem sua importância.
    Se você tiver algum contato que possa me ajudar , ou quiser entrar em contato comigo pra trocar figurinhas , estou a disposiçao.
    Sua história é fantástica.
    Parabéns e um grande abraço.
    email: paulomoraes@hotmail.ca

    ResponderExcluir
  2. Adorei...principalmente a "fantasia de alemão"....rs....rs...
    e lembra que o nosso pai também foi técnico?....
    Mas lá vai uma crítica...porque o dacosta-barbosa joga na defesa?
    Eunice (irmã do Sérgio)

    ResponderExcluir