segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Balanço do ano

Vamos tentar fazer um balanço de 2010.

No começo do ano que vem já estaremos fazendo dois anos de Canadá. Agora, estamos já no nosso segundo inverno, ou talvez terceiro, porque passamos mais frio na primavera de 2009 do que no inverno de 2010.
Mas vamos por tópico.
Educação - acho que finalmente acertamos na escola. Os dois maiores estão na escola católica (grade 2 e junior kindergarten (ainda não entendi porque eles usam o nome em alemão!) e a menor vai entrar em setembro do ano que vem. Apesar do Edu ter feito o grade 1 numa boa escola pública (por sinal em frente a nossa nova casa), a qualidade de ensino na católica é melhor. Além disso é mais fácil para ele fazer amigos (e não apenas conhecidos como na pública), porque a escola é sem dúvida nenhuma dominada pelos latinos. Acho que a pior idade para uma criança chegar no Canadá foi a que o Eduardo chegou, ele já tinha começado a aprender a ler no Brasil e teve que se adaptar ao Ingles. E a lógica das línguas é tão diferente, que o que ele já tinha aprendido de certa forma o atrapalhou. Mas agora parece que realmente ele pegou o fio da meada. Já para a Helena tudo vai ser mais fácil, o kindergarten apesar de não ser obrigatório é importantissimo para a criança, principalmente para aquela que não domina a língua. A Helena já está praticamente totalmente fluente e já vai entrar no grade 1 completamente alfabetizada. E a dificuldade com a Luísa vai ser manter o portugues!!!
Saúde - acho que finalmente aprendemos como se funciona aqui. Exiustem quatro níveis de atendimento, walk-in clinic, médico de família, intermediário entre walk-in clinic e hospital e hospital. Para ser bem atendido (e aí o quesito tempo de espera é importantissimo) tem que ter uma boa idéia da gravidade do seu quadro. Por exemplo, se seu filho estiver com febre e reclamando de dor de garganta, tem que ir a uma walk-in clinic, porque afinal o que estamos precisando é apenas de uma receita para comprar antibiótico (que por sinal aqui funciona muito bem a compra de remédios, primeiro que quem está vendendo não é um simples atendente, é realmente um farmaceutico e depois que sem receita não se faz nada por aqui). Se for com uma dor de garganta em um hospital por exemplo, será atendido, mas a espera será de horas (e põem horas nisso), porque qualquer caso mais grave passará na sua frente. Já se o problema for um dedo do pé quebrado, a walk-in clinic não vai fazer nada, mas tampouco será um caso para hospital. Aí a solução é a clínica do Trillium perto do Sherway Gardens. Se for algo mais complexo e sem muita urgencia, com certeza, o médico de família é o caminho. Já complexo e urgente o jeito é ir para o hospital, como a dor de cabeça do Du no ano passado. Mas aí também é fácil porque aí voce passa na frente de todo o mundo!!!
Aprender isso foi dificil, foi por tentativa e erro, porque ninguem explica como funciona, mas agora...... acabou-se o stress em médicos. E o mais importante, ainda não gastamos um centavo com atendimento médico-hospitalar aqui.
Moradia - talvez o grande avanço do ano, foi ter comprado casa. Nunca moramos em casa alugada (eu na verdade morei em casa alugada até os 2 anos de idade, mas não conta) e isso foi dificil para a gente. Primeiro porque tinham dois basements alugados, e tinhamos que compartilhar algumas coisas como máquina de lavar roupa e quintal, mas o mais dificil era compartilhar o piso. Ou seja, todos nossos passos faziam com que nossa vizinha de baixo, se sentisse morando dentro de um tambor!!! Comprar casa aqui é relativamente fácil (bom, precisa ter um bom corretor, e acho que temos). Principalmente as linhas de crédito são super acessíveis. Já estamos morando há quatro meses na nossa casinha, e esperamos ficar um bom tempo por aqui. E nesses quatro meses, a casa só nos proporcionou alegrias, nenhuma grande surpresa. E agora podemos lavar roupa a hora que quisermos, vamos plantar nossas árvores no quintal, temos nossos esquilos, rs, rs, rs e o mais importante podemos brincar de sapateado as duas horas da manhã. Mas talvez o mais importante é que conseguimos uma casa no lugar em que queriamos, desfrutamos de várias vantagens de morar em Toronto (como por exemplo poder usar o Etobicoke olimpium) e as vantagens de morar ao lado de uma grande cidade como Mississauga. Bom, morar em Toronto tem algumas desvantagens tambem, como  o imposto mais caro, mas acho que compensa. Etobicoke é um excelente bairro para se rmorar, nosso pedaço é um dos mais seguros na cidade (para os padrões canadenses!!), estamos super bem localizados quanto a lazer e compras.
Visitas - esse ano tivemos duas novidades. Primeiro que minha mãe e minha irmã aprenderam o caminho da roça. Foi a primeira viagem internacional da minha mãe e ela viu que ficar 11 horas em um avião não é tão ruim assim. Não é pior do que ficar 11hs hum onibus para ir para Santa Catarina. E também tivemos a visita da Luisa Elena, uma aluna alemã que veio fazer um intercambio por um ano com a gente. Mas ela vai ser assunto de um outro post.
Educação 2- estudei esse ano na Universidade de Toronto e no Humber College. Resumindo, Universidade de Toronto não é definitivamente Universidade de São Paulo. Tudo bem que eu fiz um curso novo, primeira turma, mas achei meio desorganizado e percebi uma certa melancolia nos professores. Aquela melancolia argentina, que os tempos áureos do país já se foram. Já o Humber College é uma Fatec, ou talvez seja até melhor. Aprenci muito lá.
Emprego - esse é o único problema que ainda não foi resolvido por aqui, para dizer que nossa vida está excelente. Resolvi no meio do ano partir para o survival job e não me arrependo (na verdade me arrependo de não ter ido para o survival assim que cheguei por aqui). Além de ter tido um reforcinho no caixa ainda deu para conhecer o verdadeiro Canadá. O Canadá que trabalha (chega de conhecer pessoal em agencia de ajuda ao imigrante), mas que tambem tem seus problemas. Mas o balanço do survival job vai também para um post separado. Mas a principal descoberta aqui foi a importancia que o canadense dá para a especialização. No Brasil e nos EUA, ter os skills necessário para exercer bem o seu papel na empresa e ter experiencia em áreas semelhantes é muito bem vindo. Já aqui, estou aprendendo que o que vale a pena é ser especialista. E no meu caso pessoal tem somente tres áreas de importancia por aqui, mineração, tratamento de água e petróleo (que aqui é quase um minério, porque tá misturado na areia). Como contornar isso, vai ser o meu desafio para 2011.
Alimentação - acho que não temos mais nenhuma dificuldade quanto a isso por aqui. Já aprendemos que o arroz indiano é parecido ou até melhor que o brasileiro. Já sabemos onde podemos comprar nosso guaranazinho, etc. Mas o mercado brasileiro ainda é sub-atendido por aqui. Somos apenas uma gondola nos supermercados portugueses. Oportunidade de negócio para quem tem talento para isso.
Frio - aqui é frio sim, agora tá -8, com sensação de -18. Mas isso não incomoda mais. Como já disse acima passamos mais frio na primavera de 2009, porque ainda não tinhamos as roupas adequadas. O que me incomoda ainda é a neve, principalmente dirigir com neve na pista e tirar da calçada). Mas temos sorte, já estamos aqui há quase dois neves e vimos pouco mais de 50cm de neve acumulado!!!
Calor - pior do que o frio!!! por incrivel que isso possa parecer ser. Casa com ar condicionado é obrigação!!! Passamos esse ano quase uma semana com a temperatura acima de 30C dentro de casa. Horrível. E na casa sensação térmica de 45C. Incrivel, Toronto foi o lugar onde passei mais calor na minha vida.
Bom, se eu lembrar mais de algum assunto faço um outro post.

Nenhum comentário:

Postar um comentário