quinta-feira, 15 de julho de 2010

Survival job - assunto tabu

Se é um assunto pouco divulgado em blogs de imigrantes mas muito difundido, é o survival job. Principalmente aqui no Canadá, em que o mercado de trabalho é diminuto, e algumas profissões até comuns no Brasil pouco existem por aqui. Sem esquecer também, dos profissionais da saúde, que mesmo havendo uma grande necessidade por mão de obra, o mercado é "fechado", ou seja há inúmeras restrições, que em muitas vezes são só meios dos profissionais que atuam hoje no Canadá se defenderem da concorrencia.
Mas vamos aos fatos, após um ano e quatro meses no Canadá, participando de cursos para aumentar a empregabilidade, mandando currículos (poucos),programa de estágio gratuito, mentoring, etc finalmente sucumbi ao survival job.
Há menos de duas semanas atrás comecei a procurar qualquer coisa. Aconteceram até alguns fatos até pitorescos comigo, como por exemplo
- Consegui conversar com o gerente (ou talvez dono) de uma agencia de emprego. A primeira pergunta que ele me faz é a seguinte, esse seu resume é falso, não é? È que para aumentar a minha empregabilidade eu tirei o meu curso superior. Poxa, ele me pegou mesmo, resolvi falar a verdade e concordei, aí ele arrematou, e voce é engenheiro, quase cai da cadeira. Mas a partir daí tivemos uma conversa muito interessante e ele até me prometeu arrumar um emprego legal para mim (e pediu para eu manter a "mentira" que não sou engenheiro!!!, ficaria somente entre nós, rs).
- Outra agencia, famosa, lindíssima, quadros, carpetes, mesas finas, todo mundo muitissimo bem arrumado, não fui nem atendido. Fui despachado quase na porta, o rapaz me falou, não trabalhamos com esse tipo de gente, rs, rs, rs. Problema meu, "overqualifying", e olha que falei que tinha o colegial!!!!
- Fui tentar entregar pizza, mas a proposta que eu tive foi indecorosa, trabalho escravo!!!!. Eles pagariam algo como 70% do salario mínimo, trabalharia somente 15 horas por semana, e como eles tem pouco movimento de entrega (o que na verdade é o que dá o dinheiro para o entregador aqui, por causa da gorjeta) eu teria que ficar ajudando na cozinha!!!! E a taxa de entrega seria deles, não minha. Mas parece que tinha um "escravo" ainda na minha frente, e pegou a vaga, rs.
- Finalmente fui numa empresa pequena, chamada Employal, nem tava levando muita fé neles, e também percebi que eles não estavam nem aí comigo também. Mas aí começamos a conversar, e acho que até nos simpatizamos mutuamente. Mas só para ter uma idéia de como o início da conversa foi difícil, a primeira frase que eu disse foi: bom dia, e a resposta do cidadão foi, já são mais de meio dia (era meio dia e cinco), não pode mais falar bom dia!!!! Bom, mas ele prometeu que me ligava as tres, ligou realmente as tres e cinco e acertamos para começar no dia seguinte. Agora sou ajudante geral em um armazém. E por incrível que pareça estou muito feliz, o trabalho não é pesado (para ser franco nem tem muito para fazer tambem), ganho bem para o que faço e o ambiente é bom. Por sorte, meu chefe é um portugues. E o fato de ser brasileiro ajudou muito, porque ele tava muito seco com o "polaco" (no caso, eu), mas depois que nos reconhecemos como portugues-brasileiro a relação mudou completamente. Mas não posso negar que ele tem alguma razão, rs.

9 comentários:

  1. Que bom Sérgio!! É isso aí, trabalhando e observando como anda o mercado na sua área. bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Sérgio,

    sou fã do blog da sua esposa, passei por aqui para lhe desejar boa sorte no trabalho e que novas e excelentes oportunidades se apresentem.

    ResponderExcluir
  3. Oi Sérgio,
    Estou acompanhando o blog da Marilena (em silêncio) e li agora essa boa notícia.
    Queria dizer que estou torcendo por vocês. As coisas vão dar certo pra vcs, e parabéns pelo emprego. Um dia vc vai lembrar feliz dessa fase.
    Abraço ao casal,
    Raquel.

    ResponderExcluir
  4. OI Sergio, Parabens !!!!!!!!
    Fiquei muito feliz pela noticia
    Voce conseguiu mesmo.....
    Vamos que vamos!!!! Para frente !!!!!

    Deus te abencoe muito voce, a Mari e seus filhos

    abs

    chang (ipt)

    ResponderExcluir
  5. Nossa Sérgio, que notíca maravilhosa!!!

    Que nem vc disse no post no blog da Marilena...qualidade de vida sem emprego fica destruida...

    Parabéns!

    Simone

    ResponderExcluir
  6. Sérgio,

    Essa sua saga na busca do emprego faz parte da vida de muitas famílias que estão por aqui, e se for contar tudo o que já fiz desde que cheguei aqui acho que dá para escrever uma novela.

    O importante é que está gostando do ambiente do trabalho, está finalmente conseguindo a famosa experiencia canadense e o mais importante aumenta a rede de contatos pois aqui o que conta é a famosa lista de References.

    Parabéns pelo emprego e vida que segue !!!

    ResponderExcluir
  7. Bacana você ter conseguido trabalho. Os portugueses em geral são sempre muito corretos.
    Boa sorte, a movimentação diária relacionada com a rotina do trabalho é sempre boa, vai lhe abrir novas portas. O mais importante é o ambiente do trabalho ser pacífico.
    Seguir em frente...

    ResponderExcluir
  8. Que bom Sérgio!
    Fiquei muito contente com essa nova perspectiva. Eu sei que não é o ideal, que você está em uma posição muito inferior, mas tem que se começar por algum lugar. Acho que agora as coisas vão deslanchar. Grande beijo e continuo sempre torcendo muito por vcs.
    Eliane

    ResponderExcluir
  9. Olá Sérgio! Estou impressionada com a sua disponibilidade e transparência. Embora não tenha nada contra quem só conta parte da história. Mas certa vez ouvi ou li que o Canadá quer "faxineiros" com curso superior. E ao ler o seu relato, parece que a realidade não está muito distante disso não. Eu e minha família imigramos para a Nova Zelândia e após quase quatro anos aqui, obtivemos nosso visto de residentes (dez/2011). Detalhe: recebemos o de turistas, ao desembarcarmos no país. Então, a nossa trajetória é muito diferente da sua e de sua família. Por exemplo, meu primeiro visto de trabalho foi como faxineira. Faz quase um ano que trabalho para o governo, como care worker. A grosso modo, seria algo como monitor da FASE, no Rio Grande do Sul(antiga Febem). Desculpe-me, por falar demais, afinal o blog é seu :D Muita obrigada por sua sinceridade e generosidade em compartilhar sua história conosco. Que você e sua família tenham um 2012 de muitas bençãos.

    ResponderExcluir