sábado, 20 de março de 2010

Curso na U of T - Índia

A grande maioria dos meus colegas na U of T são indianos. Talvez metade ou mais do que isso. Esse curso foi então também uma aula de cultura indiana. Acessíveis, simpáticos, isso eu já sabia. Mas descobri muita coisa sobre eles.
Primeiro que na verdade indiano é um nome genérico para quem mora naquele país. Cada região tem uma cultura totalmente diferente da outra, e língua também. Eles começam a aprender ingles no primeiro ano da escola (fundamental), aprendem também o hindi que seria a língua nacional, mas em casa falam geralmente uma terceira língua, que é a língua da comunidade deles. E essas línguas são as vezes totalmente diferentes entre si, inclusive os desenhos das letras são diferentes.
Eu ainda não consegui decorar o nome de cada uma dessas línguas. Só sei que tenho amigos gujarati (sempre os mais extrovertidos de todos), tameis (tem Tamil também na India, não só em Sri Lanka), Kanada (isso mesmo o som é igualzinho ao de Canada em portugues), punjabis, keralas (acho que é assim que é o som).
E religião então é outra diversidade, a gente pensa que todo indiano é hinduista, mas que nada. Tem indiano sikh (que é uma religião totalmente diferente, sendo monoteista inclusive), muçulmano e cristão !!!! (tem dois na classe, a família deles foram convertidas pelos portugueses na época dos grandes descobrimentos).
E o nome deles, um show a parte, tem alguns que ainda eu chamo pelo apelido, rs. E mesmo entre eles, eles falam que tem uns nomes difíceis. Mas dificil mesmo para eles é pronunciar o sobrenome indiano Gomes!!!! Isso mesmo, indiano chamado Gomes! Nem precisa falar de onde vem a influencia.
Tambem descobri coisas novas sobre o sikhismo. Sikhs são aqueles indianos que não cortam o cabelo e usam turbantes. Pois sim, conheci dois sikhs que usam o cabelo curtissimo! E segundo eles, são tão sikhs como todos os outros. E também descobri que as mulheres também não cortam o cabelo, a diferença é que elas não usam turbante.
Tambem é muito curioso ver eles falando sobre a India, para eles Toronto é uma cidade fantasma. Mas imaginem uma população de mais de um bilhão de pessoas vivendo num país que deve ser um terço em área do Brasil! Para sair de casa, voce deve empurrar as pessoas que estão apertadas contra sua porta, rs, rs. O transito então deve ser uma loucura pelo que eles contam.
Todo mundo sabe que a vaca é um animal sagrado para os indianos, mas nem aí há consenso. Tem desde os indianos cristãos que comem de tudo até os gujaratis que não comem nenhum tipo de carne, são totalmente vegetarianos. Já os indianos muçulmanos não comem carne de porco! Não é fácil preparar um jantar para os indianos não. Pimenta então parece uma obrigação por lá, minha amiga gujarati falou que ela poderia fazer um prato típico para nós (brasileiros), aí ela colocaria pouca pimenta por nossa causa, ficaria algo como uma comida mexicana (nas palavras dela). Meu Deus!!!! Se fraco para ela é comida mexicana, imagine o forte.
No próximo post, mais um artigo, sobre: de a volta ao mundo sem sair de casa, more no Canadá.

Um comentário:

  1. Se tem coisa que eu adoro no Canadá é esta oportunidade de conhecer outros países e outras culturas. Em cada curso, cada lugar em que a gente vai, sempre existe algo diferente, uma experiencia nova, uma historia pra se contar. O que me anima é que no fundo no fundo, ser humano é tudo igual; só muda o endereço.

    ResponderExcluir