quinta-feira, 3 de setembro de 2009

AGO - art gallery of ontario

Ontem fomos ao AGO, em continuidade a nossa maratona cultural. Esse é o museu de arte de Toronto. Ele está fora do city pass (que reúne 5 atrações importantes daqui).
Alguns comentarios
O acervo é relativamente pobre. Talvez até mais pobre do que o do MASP. Anos luz dos acervos dos museus de NY e europeus. Como o acervo pequeno eles separaram os quadros por temas. Para quem não é da área, como eu, fica muito confuso. Também colocam uns vinte quadros tudo encostado um no outro numa parede só sem qualquer identificação de autor, um pouco de poluição visual.
O acervo canadense é no entanto, ótimo. Tinha um cidadão na virada do século XIX para o XX, chamado Tom Thomson que "criou" um tipo de arte meio desvinculado dos padrõs vigentes na época por aqui (que pelo visto era simplesmente uma cópia do que se fazia na Europa). São quase sempres paisagens canadenses, principalmente de Ontario. E esse pintor fez os seus "discípulos", um grupo autodenominado grupo dos seis, que seguiu nessa mesma linha no começo do século XX. Algo como uma semana de arte moderna (como a paulista) mas com mais qualidade técnica.
Desse grupo dos seis, eu e a Lena coincidentemente gostamos mais de um. Chamado Harris.
O prédio em si é magnifíco. Nota dez para o arquiteto que fez esse prédio. Para falar a verdade, os arquitetos daqui são muito bons.
Os seguranças são um caso a parte, eles ficaram muito desconcertados com a nossa chegada, pela presença das crianças. Tudo bem que eles precisam tomar conta do museu, mas o zelo pareceu exagerado. Afinal uma das finalidades de um museu de arte é despertar a curiosidade artística nas crianças, ou não é?
A loja do museu também é interessante, muitas reproduções de obras por preços super acessíveis. E vamos transformar nossa casa no templo do kitsch, rs, rs, rs.
Um lugar que se não é imperdível, dá para voltar outro dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário