sexta-feira, 18 de setembro de 2009

6 meses

Hoje se completam 6 meses que chegamos ao Canadá.
Acho que foram os 6 meses mais intensos de toda a minha vida. Ontem demos uma passada em Mississauga, passamos em frente do apart-hotel que foi nossa primeira residencia e do apartamento que foi a segunda. Parece que faz um século que moramos nesses locais. Curioso que agora toda essa região oeste de Toronto nos parece muito familiar. Bem diferente de 6 meses atras. Para ser bem sincero, quando chegamos, achei Toronto/Mississauga extremamente feio. Também chegamos em um dia em que tava tudo cinza. Tava uma neblina danada. Me pareceu o lugar mais feio do mundo. Engraçado que nunca mais vi neblina como naquele dia.
Neste último mes conseguimos finalmente desatar o nó do HSBC, está tudo bem agora, conseguimos finalmente completar todos os serviços que precisavamos. Problema ainda estamos com o Canada Child Benefit (por sinal o único serviço público que precisei e nunca tinha dado problema ainda), eles se complicaram com a nossa mudança de endereço, e agora só estamos recebendo um dos cheques. Mas mais uns seis meses e eles conseguem acertar tudo, rs, rs, rs.
Qualidade de prestação de serviços aqui é um problema bem sério. Um exemplo foi o dono da nossa casa que pagou para o Canada Post, o correio daqui, para as cartas que fossem enderaçadas para nossa casa sejam diretamente enviadas para a nova casa dele. É sempre divertido ver a cara dele, quando entrego as cartas dele que ainda chegam na minha casa. Cobraram dele e não fazem o serviço, rs, rs.
As possibilidades de arrumar um emprego parecem que estão aumentando. O final do verão parece que é como o carnaval brasileiro. O ano só começa depois desses enventos. Está começando a aparecer alguma coisa (essa semana bati meu record, mandei 10 currículos). Vamos ver no que vai dar. Falta de emprego é o problema maior nosso atualmente.
O Edu está super bem na nova escola, ontem fomos entrevistados pela coordenadora de ESL (ingles para estrangeiros) da região. Ela toma conta de 6 escolas e é responsável em ir verificando o andamento do aprendizado da língua pelos alunos. A professora do Eduardo deu ótimas referencias dele, e como ele é muito novo e está ainda no primeiro ano, não vai ser encarado como prioridade. Eles tem razão, segundo essa coordenadora, tem alunos da oitava série sem falar uma palavra em ingles ainda (recem-chegados é claro). O Edu ainda tem muito tempo para isso, e se ele continuar com a motivação e a alegria que está vivenciando, vai ser fácil fácil.
A Lena entrou no Linc (curso de ingles para imigrantes). O curso é bem de gramática, e se não é uma maravilha, sempre dá para ela aprender alguma coisa. E as meninas estão no childcare da escola. Grátis!!! E elas, apesar de estarem indo ha uma semana apenas, parecem muito adaptadas. O único problema é que o sotaque das moças que tomam conta das crianças é impressionante, rs.
Mas vir para o Canadá é um exercício e tanto de sotaques. Cada um aqui fala ingles de uma forma diferente, rs, rs. A própria coordenadora que falei no parágrafo acima, disse que tem sotaque forte. Ela é inglesa, e quando começou a dar aulas aqui, ela disse que os alunos estranhavam bastante.
Agora com todo mundo na escola, em horários e locais diferentes, virei motorista particular. Pelo menos enquanto a Lena não tirar sua carta de motorista (o processo parado porque os examinadores estão de greve, outra greve!).
Pontos positivos daqui nesses seis meses, são a segurança (voces acreditam que ontem eu esqueci as bicicletas das crianças no quintal da frente, sem portão e hoje de manhã elas estavam todas lá), o ensino (a escola do Eduardo está sendo excelente) e até não podemos nos queixar agora da saúde com a pediatra brasileira (com tudo grátis é claro). As crianças em geral estão muito felizes, eles acabam tendo muito mais liberdade aqui do que tinham no Brasil.
Pontos negativos são o desemprego, mas que um dia vai acabar e a saudades, hoje também estou batendo o meu record, negativo é claro, de estar longe da minha mãe. A e outra coisa é o frio, o verão nem acabou e já tá friozinho, hoje quando chegamos em casa a noite já estava 11C (agora estamos sete graus mais frios do que o rigorosissimo, para os padrões brasileiros, inverno paulista). Eu já estou acostumando, com 11C estava só de camiseta com manga curta. Mas dá uma sensação meio estranha saber que calor mesmo agora só em junho do ano que vem, rs. E também dá um certo frio na barriga saber que em breve vamos conhecer o tão famoso inverno canadense.
Mas no balanço total, a situação é totalmente positiva para o Canadá. Um dia desses estava falando para a Lena, que para voltarmos, tres coisas teriam que acontecer no Brasil, primeiro a redução dos assassinatos em SP dos atuais 30 por 100.000 habitantes/ano para algo em torno de 5 (ainda 5 vezes maior do que o daqui, mas tudo bem), depois escola pública de nível igual ou superior a particular, e o sistema de saúde semelhante ao daqui. Acho que vai demorar alguns anos para voltarmos, rs, rs.

Nenhum comentário:

Postar um comentário